Usuário:
Senha:
Esqueci minha senha
Não tenho cadastro
  21 de maio de 2018, Segunda-feira
Página Inicial
Sobre o Portal
Cavalo Crioulo
Cabanhas
Venda Direta
Plantel Cabanhas
Coluna Veterinária
Notícias
Eventos
Galeria de Fotos
Publicidade
Contato
 
 
 
 
 
 
 
 
Coluna Veterinária
Apresentamos aqui uma coleção de artigos, redigidos por especialistas na área veterinária. Participe ! Indique um tema de seu interesse através do formulário de contato do portal.
Consulte nossos colunistas
Relação dos artigos
 
Exibindo artigo 12 de 17 no total
Cisto dentígero
05/05/2009
Cisto dentígero é uma anormalidade na formação embrionária dos dentes de animais e humanos que resulta no desenvolvimento de tecido dentário (com presença de todas suas estruturas: cemento, esmalte e dentina) em local incomum.
Lucas Colomé  
   
 
Em eqüinos, a formação dentária anormal se dá normalmente na região do osso temporal (base do pavilhão auricular). Denominado mais apropriadamente como poliodontia heterotópica, é ainda conhecido comumente como dente de orelha, cisto de orelha ou cisto temporal. Na maioria das vezes ocorre em eqüinos jovens (até dois anos de idade) e de forma unilateral, mas pode também desenvolver-se em ambos lados do crânio.

A alteração apresenta-se inicialmente como um aumento de volume na região da base da orelha, demonstrando posteriormente um trajeto fistuloso que emerge na margem da mesma. Em muitos casos, observa-se a produção de secreção mucóide, podendo ainda variar para uma formação purulenta.

O diagnóstico baseia-se no histórico de ocorrência de evolução do quadro e na avaliação clínica e radiográfica, a fim de observar-se o tamanho do cisto e o grau de aderência ao osso temporal. O tratamento consiste na remoção cirúrgica do tecido anormal. Pode ser realizado com o animal sedado em estação (sob anestesia local) ou ainda, preferivelmente sob anestesia geral. Como na maioria das vezes, necessita-se do uso de fio serra, osteótomo ou broca de alta rotação para remoção do tecido dentário (em virtude de sua forte fixação óssea no crânio), a cirurgia com o animal em pé é desaconselhada. A aplicação de drenos somente é necessária caso haja contaminação trans-operatória ou seja deixado espaço morto anatômico em excesso. Pode-se valer da aplicação de antibióticos no caso de animais debilitados ou quebra nas regras de assepsia cirúrgica.

Recidiva na formação do cisto acontece quando tecido dentário remanescente ainda permanece profundamente no sítio cirúrgico. Nesses casos, um segundo procedimento deve ser realizado. Não são necessárias maiores restrições nas atividades do animal após recuperação completa e retirada dos pontos.
 
Exibindo artigo 12 de 17 no total
 
 


  contato@portalcrioulos.com.br
Portal Crioulos - 2008 - Todos os direitos reservados
Um projeto de: MDR Engenharia de Sistemas