Usuário:
Senha:
Esqueci minha senha
Não tenho cadastro
  21 de maio de 2018, Segunda-feira
Página Inicial
Sobre o Portal
Cavalo Crioulo
Cabanhas
Venda Direta
Plantel Cabanhas
Coluna Veterinária
Notícias
Eventos
Galeria de Fotos
Publicidade
Contato
 
 
 
 
 
 
 
 
Coluna Veterinária
Apresentamos aqui uma coleção de artigos, redigidos por especialistas na área veterinária. Participe ! Indique um tema de seu interesse através do formulário de contato do portal.
Consulte nossos colunistas
Relação dos artigos
 
Exibindo artigo 8 de 17 no total
Adenite Eqüina ou Garrotilho
08/06/2009
Trata-se de uma doença infecto-contagiosa causada pelo Streptococcus equi que acomete geralmente cavalos jovens. Essa enfermidade causa inflamação das vias aéreas superiores e abscedação dos linfonodos adjacentes. O diagnóstico é feito a partir dos dados de anamnese e dos sinais clínicos como descarga nasal mucopurulenta, elevação da temperatura e aumento dos linfonodos regionais e, ainda através do isolamento do agente infeccioso.
A adenite equina é facilmente transmitida de um animal para outro através das secreções nasais ou materiais infectados que são utilizados em mais de um animal. Por isso, é imprescindível a profilaxia através de vacinas, isolamento dos animais infectados e desinfecção de cochos e baias assim como de qualquer material que tenha sido colocado em contato com o animal acometido pela doença.
Por ser altamente contagiosa essa enfermidade merece atenção especial devido seu potencial de causar surtos, acometendo vários animais ao mesmo tempo e ocasionando grandes perdas em relação ao desenvolvimento dos animais e quanto às despesas com tratamentos.
Saline Santos dos Santos 
   
 
A Adenite Eqüina, ou Garrotilho como é conhecida, tem essa denominação devido à aparência que o cavalo acometido assume, este parece estar sendo estrangulado (garroteado) devido ao aumento de volume dos linfonodos.

O Streptococcus equi é uma bactéria capaz de sobreviver nas secreções purulentas sob condições ambientais por semanas a meses. Possui uma morbidade de aproximadamente 100% mas é de baixa mortalidade. O impacto econômico da doença sobre uma propriedade que sofre um surto de garrotilho é significativo, pois além das despesas com o tratamento alguns animais enfermos dificilmente recuperam-se totalmente.

Essa enfermidade pode ser observada em cavalos de todas as idades, no entanto, os animais jovens na faixa etária de meses até cinco anos têm maior predisposição para a doença. Os cavalos senis podem apresentar quadros mais brandos da doença apenas com rinite catarral sem abscedação dos linfonodos, por já terem adquirido certa imunidade contra o agente.

Uma parcela dos equinos que tiveram a doença apresentam sequelas em decorrência de tratamentos mal administrados ou ainda por serem acometidos por outras enfermidades concomitantemente.

Os sinais clínicos observados nos animais com Garrotilho geralmente tem início com uma febre abrupta e sinais de anorexia, depressão, secreção nasal serosa que com o passar dos dias torna-se mucopurulenta e/ou purulenta, aumento de volume dos linfonodos retrofaríngeos laterais e submandibulares. Normalmente o corrimento nasal é bilateral e os linfonodos apresentam-se doloridos à palpação, os animais doentes com certa frequência apresentam dispnéia, tosse e espirros. Alguns animais podem apresentar-se anêmicos.

O quadro de garrotilho evolui de duas a quatro semanas quando há recuperação total do animal infectado. Nos casos mais graves a doença pode prevalecer por até três meses, nesse período o animal doente ainda dissemina o agente. Por isso, devem-se manter os animais infectados isolados dos animais sadios clinicamente.

Quando ocorre a morte do animal essa geralmente se dá por complicações da doença como a púrpura hemorrágica, pneumonia, asfixia, endocardite, rompimento de abscessos tardios e septicemia.

Nos animais que adquirem sequelas, mas sobrevivem à doença essa geralmente se manifesta na forma de empiema das bolsas guturais, sinusite, hemiplegia laringeana, púrpura hemorrágica e agalactia.

O tratamento deve ser estipulado de acordo com a fase da doença e a gravidade dos sinais clínicos, podendo ser necessária ou não a administração de antibióticos. O antibiótico de eleição nesses casos é a penicilina, mas é importante levar em consideração o número de animais doentes e a facilidade de administração devendo-se respeitar as doses e os intervalos entre medicações. Os abscessos devem ser tratados topicamente com pomadas rubifacientes que estimulam sua maturação, assim como o uso de compressas quentes. Quando os abscessos rompem e começam a drenar deve-se realizar uma limpeza diária da ferida com solução de iodopovidine na concentração de 3 a 5% até a completa resolução do processo de drenagem. Os antiinflamatórios não esteroidais são administrados visando diminuir a dor e o edema ocasionados pela doença.

O uso da fluidoterapia e alimentação via sonda são recomendados quando o animal encontra-se anoréxico.

� essencial que sejam tomadas medidas preventivas quando um novo animal é introduzido em uma propriedade, determinando que este permaneça em quarentena isolado dos demais animais até que seja comprovada sua sanidade.

Atualmente existem vacinas que proporcionam imunidade temporária aos cavalos que devem ser periodicamente revacinados com o intuito de amenizar o quadro da doença caso essa venha a se manifestar.

A prevenção vacinal e cuidados de manejo quando eficientes são métodos eficazes para livrar uma propriedade de um surto de garrotilho.
 
Exibindo artigo 8 de 17 no total
 
 


  contato@portalcrioulos.com.br
Portal Crioulos - 2008 - Todos os direitos reservados
Um projeto de: MDR Engenharia de Sistemas