Usuário:
Senha:
Esqueci minha senha
Não tenho cadastro
  27 de maio de 2018, Domingo
Página Inicial
Sobre o Portal
Cavalo Crioulo
Cabanhas
Venda Direta
Plantel Cabanhas
Coluna Veterinária
Notícias
Eventos
Galeria de Fotos
Publicidade
Contato
 
 
 
 
 
 
 
 
Coluna Veterinária
Apresentamos aqui uma coleção de artigos, redigidos por especialistas na área veterinária. Participe ! Indique um tema de seu interesse através do formulário de contato do portal.
Consulte nossos colunistas
Relação dos artigos
 
Exibindo artigo 2 de 17 no total
Anemia Infecciosa Equina (AIE)
19/08/2009
� uma doença infectocontagiosa causada por um vírus de distribuição mundial, tem sua maior ocorrência em áreas úmidas e pantanosas. Pode acometer equinos de ambos os sexos independentemente da idade ou raça.
A transmissão ocorre principalmente pela presença de insetos hematófagos (que se alimentam de sangue) e através da utilização de materiais contaminados com sangue infectado.
O animal acometido poder ser assintomático ou apresentar febre alta, anemia, mucosas amareladas, depressão, falta de apetite e emagrecimento progressivo. Por estar debilitado este pode apresentar outras doenças concomitantemente.
� importante que todo novo animal introduzido no plantel seja mantido em quarentena e examinado por um Médico Veterinário para que este ateste a sanidade do animal.
A AIE é uma doença de notificação obrigatória que procede com o sacrifício dos animais soropositivos.
Saline Santos dos Santos 
   
 
Essa enfermidade é conhecida também como a Febre dos Pântanos e AIDS equina.
A Anemia Infecciosa Equina pode comprometer permanentemente o desenvolvimento e desempenho dos equinos.

O período de incubação médio do vírus é de sete a trinta dias podendo este ser antecipado ou estendido.
O vírus é transmitido por meio de moscas e mosquitos, também pode passar da égua para o potro ainda no ventre via placenta ou após o nascimento através do leite. Na fase de viremia o garanhão transmite o vírus através do sêmen no momento do coito. O uso de materiais como seringas e agulhas e instrumentais cirúrgicos que não forem corretamente esterilizados também funcionam como fontes infectantes.

A doença pode manifestar-se da forma superaguda à crônica podendo levar a morte os animais mais frágeis e manter-se inaparente naqueles mais resistentes tornando-os portadores assintomáticos.
Outras doenças podem ser confundidas com a AIE como a Leptospirose, a Babesiose Equina, a Púrpura Hemorrágica (sequela do Garrotilho), o parasitismo, dentre outras.
Os sinais clínicos mais comuns são períodos febris, anorexia, emagrecimento, anemia, mucosas pálidas ou ictéricas, edema no peito e membros, depressão e ainda petéquias, arritmia cardíaca, olhos lacrimejantes, respiração rápida, síndrome cólica e fezes sanguinolentas.

O animal que não apresentar sinais clínicos evidentes da doença é potencialmente um â??perigoâ? para os demais animais da mesma propriedade. Por esta razão o exame de Anemia Infecciosa Equina é um importante método de controle da doença permitindo que em eventos como exposições, provas e leilões os proprietários tenham a garantia de que seus animais não estarão expostos ao vírus.

O teste utilizado para o diagnóstico definitivo da doença é a imunodifusão em gel de ágar também chamado de Teste de Coggins. Este exame custa em média R$ 18,00 e possui validade de dois meses. Toda vez que o cavalo necessitar ser transportado precisa ter o atestado de Anemia Infecciosa Equina negativo.

Para a realização do exame é necessário pelo menos 4 ml de sangue íntegro ou 2ml de soro sanguíneo armazenado em tubo estéril sem anticoagulante e mantido refrigerado. Esse material deve ser enviado ao laboratório credenciado juntamente com a resenha atualizada do cavalo. O resultado do teste é emitido depois de transcorridas 48 horas.

O Médico Veterinário que verificar um exame AIE positivo deve notificar o Ministério da Agricultura para que seja realizado um segundo teste comprovando o resultado obtido no primeiro e assim providenciar o sacrifício deste animal.
Na atualidade não existem tratamentos eficazes e vacinas disponíveis devido ao fato do vírus sofrer mutação assim que penetra no organismo do animal.

Para erradicar a doença de uma propriedade é primordial efetuar o exame de AIE nos animais sacrificando os animais soropositivos e isolando os potencialmente positivos daqueles certificados sadios assim como providenciar um correto manejo de materiais de uso comum aos equinos mantendo o ambiente sempre limpo e os materiais esterilizados, fazer uso de seringas e agulhas descartáveis e realizar periodicamente um controle de insetos.

O cavalo saudável é aquele que tem quem se preocupe com a sua saúde.
 
Exibindo artigo 2 de 17 no total
 
 


  contato@portalcrioulos.com.br
Portal Crioulos - 2008 - Todos os direitos reservados
Um projeto de: MDR Engenharia de Sistemas